Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SNTNELA

Ah! que saudade do teu abraço

Vivian Barbosa, 16.04.20

Ah! que saudade do seu abraço-4321831_1920.jpg

 

Está um imenso silêncio agora,

as ruas estão vazias.

Queremos sair mas há medo lá fora,

estamos dentro da caixa agora

onde estamos bem longe do abraço.

Ah! que saudade do teu abraço.

Saudades de estarmos todos juntos

mais estamos distantes agora

para um dia estarmos

mas juntos do que nunca.

Porquê do medo nasce a coragem

da coragem a luta

e da luta a esperança,

o aprendizado, a força...

sejamos fortes agora.

Vai ficar tudo bem.

 

Saudades

Vivian Barbosa, 14.03.19

Saudades-2628337_1920.jpg

O vento trouxe  momentos,

lembranças fizeram chorar,

você longe dos meus olhos,

e eu distante a trambolhar.

 

A brisa trouxe um beijo,

um conto de gratidão,

no mundo há tanta gente

e ainda existe solidão.

 

Estamos longe do abraço,

sentimos com o coração,

o tempo custa a passar

causando frustração.

 

Recordações doí no peito,

lembranças a colorir,

a imagem de um rosto,

que um dia nos fez sorrir.

 

Encontramos no caminho

verdadeiras amizades

passamos toda vida 

a lidar com as saudades.

 

Reviver

Vivian Barbosa, 20.12.18

Reviver-514992_1920.jpg

fotografias trazem lembranças,

lembranças trazem saudades,

saudades trazem momentos

que ficaram no passado.

O passado traz sentimentos

sentimentos traz a vontade

a vontade traz alguém,

que se ama de verdade.

 

Se aquele banco falasse

Vivian Barbosa, 16.09.16

Se aquele banco falasse-338429__340.jpg

Sentada no banco da praça, observando quem por ela passa, naquela praça, naquele banco, onde tantas histórias se passaram, os amigos, as gargalhadas, os namoricos, as brincadeiras inocentes,

Se este banco falasse, se esta praça contasse, os nossos segredos, nossas travessuras, no banco da praça onde o vi pela primeira vez, e que mesmo sem saber o que era o querer, já o queria.

Uma adolescente, na descoberta do amor, aquele beijo envergonhado escondido atrás da igreja, o primeiro beijo, velado pelos amigos a resguardar, para que as beatas não vissem,

O começo de um namoro proibido, pelos mais velhos, por nossos pais, as amizades sinceras, quase uma irmandade, unidos pela idade, pela simplicidade, da inocência de crianças que cresceram juntas, entrando em uma nova fase, a adolescência.

As festas da igreja, as peças de teatro, os musicais, as confissões com o querido padre, que nos ouvia os mais inocentes pecados.

Se aquele banco falasse, falaria das nossas gargalhadas, dos nossos sonhos, se aquela praça contasse, contaria  o quanto eu fui feliz.

 

Perdi, quando ganhei.

Vivian Barbosa, 07.09.16

Perdi quando ganhei.504636_960_720.jpg

Quis conhecer o mundo, seguir novos caminhos, conhecer outros lugares, pessoas, respirar outros ares, e hoje sinto me como um anjo caído, perdido neste mundo de meu Deus.

Encontrei tudo o que queria nesta minha viagem, e somente com o tempo me apercebi que o tudo que eu queria não cabia no meu pequeno mundo, e que todas as vezes que eu avançava deixava para trás tudo, vezes sem conta, cada vez que ganhava também perdia.

Receando assim voltar ao ponto de partida, onde os amigos seguiram com suas vidas, seus filhos já são mulheres e homens feitos, alguns se quer conheço.

Tornei me uma estranha entre pessoas amadas, talvez seja paranóia da minha cabeça, e tudo voltará a ser como dantes, a mesma sintonia, a mesma energia, seja como for estarei sempre a seguir em frente.

E cada vez que isso acontecer estou a ganhar, e a perder, mas perco apenas a convivência, porque levo em meu coração todo sentimento, cada lembrança, cada sensação que encontro nesta minha jornada.

Se valeu a pena não sei, mas faria tudo novamente, e se  pudesse fazer uma magia reuniria tudo e todos neste meu pequeno mundo, antes que morra de tantas saudades.

 

Saudades

Vivian Barbosa, 10.08.16

teddy-1338895__340.jpgSinto meu coração apertado, meus pensamentos perdidos, de repente uma lágrima acompanhada de um sorriso em minha face, viajo pelo tempo como num passe de magia, me entrego, me enlaço em minhas memorias.

Um passado distante, pessoas distantes, que até parece em outra vida, uma sensação de quase dor e alegria, uma nostalgia momentânea.

O vento me traz uma palavra, uma música, um beijo, momentos... faces se perdendo e se encontrando em uma grande espiral de sensações, sinto uma forte emoção, o coração se aperta batendo mais forte no meu peito.

Vejo a minha vida a passar pelos meus olhos, na boca um sabor amargo uma mistura de tristeza e felicidade, tristeza do que não volta mais, felicidade de ter tido o prazer de viver estes momentos.

O prazer de conhecer lugares, pessoas, ama las... para depois perde las, para outro mundo, para este mundo, onde a distancia nos torna prisioneiros, neste labirinto chamado saudades.